ANEAM - Associação Nacional dos Engenheiros Ambientais

30-07-2014

PROFISSÃO DO PRESENTE: ENTREVISTA COM ENG. CAROLINA FURLAN Destaque

Avalie este item
(3 votos)

A ANEAM apoia as associações estaduais e regionais ajudando assim na promoção e divulgação de conteúdos que agreguem valor ao profissional de Engenharia Ambiental. A Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais – APEAM, realizou uma entrevista com a Engenheira Ambiental Carolina de Paula Furlan da Suez Environment. Confira essa excelente matéria!

 

A Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais – APEAM tem como objetivos valorizar, fortalecer e integrar a classe dos profissionais de Engenharia Ambiental do Paraná.

 

Buscando mostrar as diversas oportunidades da área de Engenharia Ambiental, a APEAM entrevistou a Engenheira Ambiental Carolina de Paula Furlan, formada na UFPR, e com mestrado em Hydroinformatics and Water Management (EuroAquae – programa Erasmus Mundus).

 

Furlan, atualmente ocupando o cargo de Engenheira de Projetos na Suez Environnement – Lyonnaise des Eaux (França) pensa que a engenharia ambiental já deixou de ser a profissão do futuro, ela é profissão do presente. “É preciso também entender que o engenheiro ambiental não ‘rouba’ o trabalho de outra profissão. São novos problemas que surgiram com a evolução da sociedade e que os engenheiros ambientais devem resolver propondo novas soluções”, disse.

 

Abaixo segue a entrevista realizada com a engenheira ambiental Carolina:

 

APEAM: Para iniciar, conte-nos um pouco de sua trajetória profissional como engenheira ambiental.

 

Carolina: Trabalhei na empresa de consultoria VPC/Brasil em Curitiba-PR durante dois anos após a formatura. Nessa empresa tive a oportunidade de participar em projetos de urbanismo (Planos Diretores) e coordenar Estudos de Impacto Ambiental. Fiz um mestrado que me permitiu viver em três países diferentes: Espanha (Barcelona), Inglaterra (Newcastle upon Tyne) e na França (Nice e Paris). Nesse mestrado a mobilidade do estudante é obrigatória (Programa Erasmus Mundus). Após o término do mestrado, a empresa onde eu fiz estágio me ofereceu uma vaga para um projeto de drenagem urbana com pilotagem dinâmica. Aceitei a proposta e estou até hoje trabalhando nessa empresa. Faz cinco anos que estou morando na França e trabalhando na Suez Environnement.

 

 

APEAM: O que lhe motivou a fazer o curso de Engenharia Ambiental?

 

Carolina: Na época do vestibular eu estava em dúvida entre arquitetura e engenharia ambiental. Foi durante uma palestra do professor Eduardo Gobbi no cursinho, onde ele mostrou o Estudo de Impacto Ambiental da ponte-túnel que liga a Dinamarca e a Suécia, que eu me apaixonei pelo assunto. Nesse dia eu tive a certeza que eu queria participar de projetos que iriam fazer uma diferença no mundo, uma diferença pra melhor.

 

 

APEAM: Qual sua área de atuação?

 

Carolina: Manutenção e gestão de redes de esgoto. Como a França é um país onde o saneamento básico já é bem desenvolvido, a problemática aqui não é a implantação de redes, mas sim a gestão destas. A função das redes de esgoto é o transporte de líquidos, sólidos e gases até o tratamento. Para isso, a rede precisa estar em boas condições. E é a manutenção e a gestão das redes de esgoto que determinam as boas condições de “trabalho” das mesmas.

 

 

APEAM: Quais foram as maiores dificuldades encontradas no mercado de trabalho?

 

Carolina: Preciso dizer que tive muita sorte na minha vida profissional e nunca encontrei grandes dificuldades no meu caminho. Antes da formatura eu já tinha uma proposta de trabalho na empresa onde fiz estágio e o mesmo se repetiu após meu mestrado. No entanto, sei que o dia que eu quiser retornar ao Brasil terei que enfrentar uma grande questão que já é debatida hoje: o engenheiro ambiental pode ou não trabalhar com saneamento? Muitas vezes essa área de atuação é creditada ao engenheiro civil ou ao engenheiro sanistarista.

 

 

APEAM: A Engenharia Ambiental é relativamente nova no mercado de trabalho brasileiro e também, dentre as demais engenharias, a que mais tem potencial de crescimento. O que você acha que está faltando para que este fato seja concretizado?

 

Carolina: Acredito que, como todas as novas profissões, a engenharia ambiental precisa de tempo. Claro que só o tempo não resolve o problema. É com a atuação e competência de engenheiros ambientais no mercado que a categoria vai se impor e mostrar o porquê foi criada. É preciso também entender que o engenheiro ambiental não “rouba” o trabalho de outra profissão. São novos problemas que surgiram com a evolução da sociedade e que os engenheiros ambientais devem resolver propondo novas soluções.

 

 

APEAM: Na sua opinião, qual a importância da APEAM para o fortalecimento da categoria?

 

Carolina: A APEAM é importantíssima! É através da APEAM que os engenheiros ambientais podem se unir, debater questões em comum e encontrar nela o suporte necessário para o crescimento da profissão. Ela é a imagem e a representação de todos os engenheiros ambientais no mercado de trabalho.

 

 

APEAM: Para finalizar, qual recado você gostaria de deixar aos futuros Engenheiros Ambientais?

 

Carolina: A engenharia ambiental já deixou de ser a profissão do futuro, ela é profissão do presente! Mãos à obra que trabalho é o que não falta.

 

 

Fonte: APEAM

 

 

 

Última modificação em Quarta, 30 Julho 2014 01:11

Add comment


Security code
Refresh

Associação dos Engenheiros Ambientais

Top Desktop version